3
1

Aliança entre formadores e empresas precisa-se

O sector empresarial tem a responsabilidade de se envolver mais na formação profissional dos quadros e trabalhadores, enquanto principal beneficiário dos recursos humanos disponíveis no mercado.

1
2
Cláudio Gomes
Cláudio Gomes

Esta afirmação foi defendida pelos entrevistados da Economia & Mercado (E&M), durante uma abordagem sobre a oferta formativa e o mercado do emprego em Angola..

A professora Laurinda Hoygaard defende que as empresas devem sentir-se obrigadas e estimuladas a intervir activamente no processo de formação dos quadros, através do mercado ou de acções dirigidas de acordo com as suas necessidades. A também economista afirmou que a aposta na formação dos colaboradores por parte das empresas permite potenciar o talento dentro das organizações e garantir que as pessoas se sentem valorizadas.

“Há necessidade de se criarem alicerces que valorizem o homem e as instituições, tornando-os responsáveis pelo (in) sucesso e resultados das empresas, expressos numa melhor rentabilidade e economia externas que beneficiem as condições gerais de vida na sociedade”, salientou.

Já o CEO da Refriango, Diogo Caldas, afirmou que, além da formação académica e profissional, o mercado angolano assiste a uma crescente profissionalização das empresas, o que “tem um impacto positivo” na qualificação da força de trabalho.

Leia mais na edição de Janeiro de 2019

Economia & Mercado – Quem lê, sabe mais!

7