3
1
PATROCINADO

Corredor do Lobito: rota comercial africana está entre as prioridades de investimento do G7

Victória Maviluka
18/6/2024
1
2
Foto:
DR

Dos quatro principais corredores comerciais destacados durante a recente cimeira do G7 em Itália, o Corredor do Lobito, que liga Angola, a RDC e a Zâmbia, figura em destaque.

Como parte da sua estratégia de integração económica regional, o G7 está a trabalhar para desenvolver corredores de transporte essenciais em diversas regiões do mundo. Para impulsionar o comércio intra-africano, as 7 principais economias do Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos apostam nesta rota comercial que liga três países que possuem imensas reservas minerais: Corredor do Lobito.

A notícia é destaque desta terça-feira, 18, do portal marroquino Le360 Afrique, que refere que, num esforço renovado para promover o desenvolvimento equitativo e sustentável, os países do G7 (Alemanha, Canadá, EUA, França, Itália, Japão e Reino Unido) estão a demonstrar a sua determinação em apoiar vários corredores económicos estratégicos em todo o mundo, incluindo um no continente africano.

Esta iniciativa emblemática, ancorada na Parceria Global de Infra-estruturas e Investimento (GIIP), visa estimular o investimento privado e público em infra-estruturas de qualidade, reforçando simultaneamente a integração económica regional.

Dos três principais corredores comerciais destacados durante a cimeira do G7 em Itália, decorrida de 13 a 15 de Junho de 2024, o Corredor do Lobito, que liga Angola, a República Democrática do Congo (RDC) e a Zâmbia, figura em destaque. 

Estes três países, sublinha o portal, albergam imensas reservas minerais estratégicas, nomeadamente cobre e numerosas terras raras, cuja exploração e transporte serão grandemente facilitados por este corredor multidimensional.

Ao direccionar os seus investimentos para o Corredor do Lobito, o G7 pretende estimular dinâmicas de crescimento poderosas à escala regional. 

A melhoria da infra-estrutura de transporte multimodal deverá, de facto, facilitar a exploração e exportação da riqueza natural angolana, congolesa e zambiana, promovendo, ao mesmo tempo, a emergência de um tecido empresarial local ao longo do corredor, destaca o Le360.

Um projecto potente

De acordo com o Africa Policy Research Institute, citado pelo portal marroquino, "o principal interesse do Corredor do Lobito é utilizá-lo como meio de transporte de minerais e materiais da RDC e da Zâmbia para a União Europeia e os Estados Unidos .

De acordo com a Câmara Americana de Comércio, refere ainda o Le360, uma vez concluído, o corredor “expandirá um eixo económico que liga estes três países ao resto do mundo, reduzindo potencialmente os custos para as empresas e avançando a visão partilhada de um caminho de acesso conectado e aberto". 

“Ligando a região mineira rica em cobre ao mar, o Corredor do Lobito abre caminho para uma miríade de novas oportunidades de crescimento económico e de desenvolvimento que irão desbloquear a competitividade comercial da região”, acrescenta a câmara.

O impacto do corredor, continua, será considerável e afectará sectores vitais para a região e para África como um todo: transportes e logística, energia limpa e cadeias de abastecimento de minerais críticos, bem como o agro-negócio , argumenta a Câmara de Comércio.

Rota comercial de aproximadamente 1.300 km

Para mais detalhes sobre o corredor, aqui estão alguns números importantes: A rota comercial se estende por aproximadamente 1.300 quilómetros. 

Ligado ao porto de águas profundas do Lobito, em Angola, no Oceano Atlântico, este ambicioso projecto inclui a construção de quase 563 quilómetros de linha férrea na Zâmbia. 

Além disso, serão construídas centenas de quilómetros de estradas secundárias para ligar a parte Sul da RDC e o Noroeste da Zâmbia aos mercados regionais e globais através do Porto do Lobito.

Assim, o apoio do G7 deverá materializar-se através de investimentos maciços na reabilitação e modernização das infra-estruturas rodoviárias, ferroviárias e portuárias ao longo do corredor. 

Isto envolverá provavelmente o co-financiamento de projectos por bancos de desenvolvimento e instituições financeiras internacionais, bem como a mobilização de capital privado através de mecanismos de partilha de riscos.

Para além das infra-estruturas físicas, o G7 pretende apoiar o reforço do quadro regulamentar e institucional em torno do corredor, promovendo elevados padrões de governação, transparência e sustentabilidade ambiental. Poderia assim ser prestada assistência técnica para reforçar as capacidades locais.

Em última análise, o relançamento do Corredor do Lobito visa estimular o comércio intra-regional e internacional, ligando as áreas de produção aos mercados, para desbloquear o potencial económico das comunidades locais.

Mais três potentes corredores

Os outros três corredores comerciais incluídos entre os projectos prioritários que o G7 está empenhado em financiar são, segundo noticia o Le360 Afrique, o Corredor Luzon, nas Filipinas, o Corredor Médio, que atravessa a Europa Central, e o corredor Índia-Médio/Oriente-Europa.

Se os detalhes financeiros permanecerem pouco claros, o G7 está empenhado em aprofundar a sua coordenação e financiamento para estes projectos estruturantes.

O principal desafio é quebrar o isolamento das regiões sem litoral em África e noutros locais, através do desenvolvimento de redes de transporte multimodais eficientes. 

O G7 destaca também a importância de envolver instituições financeiras internacionais e bancos de desenvolvimento, a fim de mobilizar capitais públicos e privados em grande escala. 

Serão exploradas ferramentas inovadoras, como o co-investimento, a mitigação de riscos e a coordenação de credores, para catalisar os fluxos de financiamento.

Embora os detalhes país por país não sejam especificados, esta medida estratégica visa reduzir as disparidades regionais e promover o crescimento inclusivo, sugerindo anúncios financeiros direccionados para o futuro.

Ao combinar investimentos em grande escala, capacitação e parcerias mutuamente benéficas, o G7 espera lançar as bases para um crescimento económico resiliente e partilhado, ao mesmo tempo que aborda desafios ambientais e sociais cruciais.