3
1

Cuanza Norte no "roteiro" da Covid-19

A província do Cuanza Norte tornou-se na segunda província do país a registar casos positivos de infecção pela Covid-19, após a província de Luanda, que neste momento conta com mais de 140 casos.

1
2
Fotografia
:
DR

Segundo as autoridades sanitárias, que tem vindo a redobrar esforços para conter a propagação da doença em Angola, cujos esforços têm merecido o reconhecimento da Organização Nacional da Saúde (OMS), que incluiu o país num grupo de oito Estados que souberam dar resposta contra a expansão do vírus, responsabilizam alguns cidadãos nacionais e estrangeiros.

Na óptica dos responsáveis políticos e sanitários, muitos cidadãos, nacionais e estrangeiros, agem de forma irresponsável, desobedecendo as regras civis decretadas pelas autoridades do Estado, violam as cercas sanitárias, acto que coloca em situação de vulnerabilidade a integridade de centenas de cidadãos.

Recentemente, a titular da pasta da Saúde, Sílvia Lutucuta, admitiu haver pessoas a violarem o cordão sanitário da província de Luanda, tendo na altura advertido que tal atitude podia contribuir para a propagação da doença às famílias dos prevaricadores e consequentemente pelo país.

“As pessoas estão a usar outros caminhos, recorrendo a canoas na orla marítima e outros caminhos. Têm que ter consciência que não devem sair, porque põem em risco a vida das suas famílias”, alertara aporta voz da Comissão Interministerial de Combate a Covid-19.

No entanto, alguns fazedores de opinião atiravam a responsabilidade da referidas violações, sobretudo a cerca sanitária da província de Luanda, às autoridades de defesa e segurança, opinião refutada também pela ministra da Saúde.

Sobre o assunto, na altura, a governante sublinhara que neste período de isolamento social as pessoas violam as fronteiras conscientemente, mas fora da marcação.

Para o caso especifico que marca negativamente a entrada da província do Cuanza Norte no "roteiro" das infecções pela Covid-19, é factual salientar que a violação da cerca sanitária envolveu dois o este africanos e de um angolano.

Segundo o secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda, como consequência do acto, um dos três infectado pela Covid-19, inspira cuidados especiais redobrados por ter outras doenças crónicas associadas a infecção.

Ao actualizar os dados epidemilógicos da pandemia no país, esta terça-feira, referente as últimas 24 horas, o dirigente sanitário anunciou, os primeiros três casos registados fora da província de Luanda, neste caso no Cuanza Norte.

Com objectivo de investigar o vinculo de transmissão que originou os casos positivos na província, Franco Mufinda disse que “uma equipa multidisciplinar foi ao Cuanza Norte para fazer o acompanhamento da gestão desses casos”.

De acordo com Angop, enquanto não se esclarecer o vínculo epidemiológico, para se definir se há ou não casos de transmissão comunitária, o país vai continuar com os 83 casos de transmissão local e 65 importados, com um total 148 casos, no cômputo geral, havendo, a meio, seis óbitos, 64 recuperados e 78 activos.  

7
Assine a Revista Digital - Economia & MercadoAssine a Revista Digital - Economia & Mercado