3
1

Dispersão em bolsa “é para avançar”, diz presidente da Sonangol

Sebastião Gaspar Martins prometeu esta semana que a privatização parcial da empresa "é para avançar", entretanto, não adiantou prazos.

1
2
Redacção_E&M
Fotografia
:
DR
Redacção_E&M

De acordo com estimativas apresentadas no 45º aniversário da empresa, referenciadas pela Lusa, o governo pretende, neste sentido, avançar com uma Oferta Pública Inicial (IPO) de 30% do capital da Sonangol, o que poderá render para o país entre 5 e 7 mil milhões de dólares (entre  4,13 mil milhões e  5,78 mil milhões de euros).

À agência portuguesa de notícias, o PCA da petrolífera angolana disse que “o processo não se atrasa”, e “é preciso” que as pessoas entendam que ele passa por várias fases.

Sebastião Gaspar Martins explicou, segundo a Lusa, que “entre elas (fases), depurem grande parte dos processos que têm a ver com as relações entre a Sonangol e o Estado, para que o IPO, quando é lançado, não levanta dúvidas no futuro, se o accionista tem realmente empresa, do ponto de vista comercial, ou tem ligações com o Estado, que é o que temos vindo a fazer ”.

Segundo a Lusa, em causa estão "algumas transações" que podem ter acontecido enquanto a Sonangol ainda era a concessionária.

“Estamos eliminando todos eles para permitir que a Sonangol se concentre exclusivamente nas suas atividades de negócios atuais”, observou à margem da conferência Angola Oil & Gas.

Ainda não há data definida para o início da oferta pública de ações. “É preciso estar ciente de que o IPO vai acontecer, mas precisamos fazer bem e não com a pressão de que possa acontecer”, frisou, acrescentando: “Não podemos ser movidos por uma agenda que não seja a nossa." Acrescentando, o PCA da Sonangol disse que “temos de fazer este trabalho bem e para o fazer, temos de seguir todas as fases”, referindo que um IPO pode demorar três a quatro anos a preparar.

“Conseguimos separar os trabalhadores que estavam ligados à Sonangol e agora fazem parte da ANPG [Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis, concessionária], para conciliar despesas que se confundiam entre o que era despesa do Estado e da Sonangol mas continuamos temos muito que fazer ”, disse o presidente da petrolífera angolana, acrescentando que outras opções estão a ser consideradas.

“Podemos falar de um período de três anos, mas podemos pensar em opções que também não evitem que o processo aconteça. Estamos analisando possíveis subsidiárias que estão 'limpas'”, disse ele, lembrando que a questão está sendo avaliada , "mas pensando em um IPO global.

7
Assine a Revista Digital - Economia & MercadoAssine a Revista Digital - Economia & Mercado