3
1

Distrito do zango. O sonho que tarda em cumprir-se

Lançado em 2003, o projecto de urbanização do Zango é dos poucos do género que beneficiaram de duas imponentes centralidades – a da Vida Pacífica e a do Zango V.

1
2
Fotografia
:
Carlos Aguiar

A Economia & Mercado constatou que apesar dos investimentos feitos, a habitação e a mobilidade urbana ainda são o “calcanhar de Aquiles”.

Sem contar com as casas sociais construídas nos Zangos I,II, III e IV, estas duas centralidades somam 10.428 casas erguidas com fundos públicos (Vida Pacífica com 2.464 casas e Zango V com 7.964 casas). Ainda assim, dados da Administração Distrital do Zango dão conta que cerca de 18.000 famílias continuam a viver em bairros de lata sendo que, pelo menos 10.000, estão em situação precária e de exclusão social há mais de 10 anos.

O rosto dos moradores não esconde a angústia e o peso das dificuldades sociais. Para quem visita o distrito do Zango, entrando pelo viaduto que o liga à Avenida Comandante Fidel de Castro Ruz (Via Expresso) e, a partir dela, aos municípios de Cacuaco, Viana Sede, Belas, Luanda, bem como aos bairros periféricos da localidade, a longa fila de casebres de chapas, à esquerda, é um dos mais marcantes “postais”, contrastando com os imponentes edifícios da Centralidade Vida Pacífica.

Passados 17 anos, o quadro ainda é “desolador e preocupante”, segundo os desabafos de moradores, autoridades administrativas e policiais. Entre os problemas que afligem a população, destacam-se a falta de água potável, de energia eléctrica e de iluminação pública, de saneamento básico, de segurança e de vias alternativa de acesso ao distrito.

No que toca à mobilidade urbana, por exemplo, os cerca de 600.000 habitantes do Zango, maioria dos quais trabalha fora do distrito, continuam a depender de um único ponto de acesso para transitar das suas zonas de residência para os locais de trabalho, o mesmo acontece quando precisam de usufruir de serviços que são prestados fora do distrito.

Os serviços financeiros, escolas, hospitais, unidades comerciais de grande e média superfície, ainda estão concentrados ao longo da única via de acesso e no interior das zonas urbanizadas do distrito. Quem reside nos bairros periféricos é desafiado a percorrer 10 a 15 quilómetros para solucionar as suas preocupações.

Henriques André (nome fictício de um menino de 14 anos deidade) vive no bairro precário Muxima Moxi e estuda numa das escolas da centralidade Vida Pacífica, no Zango 0. No dia em que visitámos o distrito, não pôde frequentar as aulas por ter chegado atrasado, de- pois de ter percorrido todo o caminho, porque os pais não lhe deram dinheiro para apanhar um táxi.

Sem hospitais nem escolas

O bairro Cazeta, situado entre o viaduto do Zango e a centralidade Vida Pacífica, é um dos 40 bairros periféricos onde se vive sem água, energia eléctrica, escolas, hospitais, saneamento básico, arruamentos ou iluminação pública. A Economia & Mercado constatou também, durante a reportagem, que as condições de vida dos moradores dos bairros periféricos estão cada vez mais deploráveis, o que contraria os objectivos inicialmente traçados pelo Governo, que prometeu a melhoria de vida das populações, lembraram alguns entrevistados.

A degradação acentuada da qualidade de vida destas comunidades, segundo o administrador distrital do Zango, Euclides da Costa, tem obrigado ao redobrar de esforços para se alterar o quadro que considera ser “preocupante”.

Na época de chuvas, o acesso de pessoas e bens nos bairros Kikuxi 2, Walale e Boa Esperança faz-se com “grandes dificuldades”, enquanto os bairros Mundimba, Muxima Moxi, Walale e Santa Paciência, “estão praticamente sem equipamentos sociais”, revelou. Actualmente, sublinhou Euclides da Costa, a maior parte das infra-estruturas sociais estão erguidas nos diferentes projectos urbanos sociais. Ou seja, os serviços públicos como escolas, hospitais, estão apenas “ali, onde o Estado construiu as casas no âmbito dos pro- gramas de realojamento”.

Leia mais na edição de Março de 2020

Economia & Mercado – Quem lê, sabe mais!

7