3
1

Educação, o ponto forte de Cabo Verde no combate à malária

O arquipélago aparece nas mais recentes estatísticas da Organização Mundial da Saúde (OMS) como um dos poucos países que conseguiram combater uma das doenças mais mortíferas de África, a malária.

1
2
Fotografia
:
ISTOCKPHOTO

Os cabo-verdianos conseguiram relatar “zero casos autóctones de malária” durante três anos consecutivos, numa altura em que a doença causou, em 2020, 384.000 mortos em África. Apesar de integrarem o continente mais acometido pela doença, com cerca de 94% dos casos e mortes registados globalmente, a histórica conquista tornou-os num dos oito países, a nível mundial, a expurgar a devastadora doença de entre os seus habitantes.

Conforme dados reportados, este ano, pela OMS, a lista dos países que eliminaram a malária é complementada pela Argélia, Belize, China, El Salvador, República Islâmica do Irão, Malásia e Paraguai. Citado pela revista Visão, o director do Programa Global da OMS contra a Malária disse que “o sucesso é impulsionado, antes de mais, pelo compromisso político dentro de um país endémico para acabar com a doença”. Pedro Alonso afirmou que o compromisso se traduz “num financiamento interno, que é frequentemente sustentado ao longo de muitas décadas, mesmo depois de um país estar livre da malária”.

Assim, Cabo Verde e Timor-Leste são os únicos países lusófonos que apresentaram “bons resultados na luta contra a malária”, deixando para trás nações potencialmente ricas da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), como Angola e a República Democrática do Congo (RDC), que se posicionam ainda muito longe de atingir este marco.

Segundo a OMS, a maioria dos países que “chegam ao paludismo zero tem sistemas de cuidados de saúde primários fortes”.

Leia o artigo completo na edição de Julho, já disponível no aplicativo E&M para Android e em login (appeconomiaemercado.com).

Education, Cape Verde's strength in fighting malaria

The archipelago appears in the latest statistics from the World Health Organization (WHO) as one of the few countries that have managed to fight malaria, one of the deadliest diseases in Africa.

Cape Verde has reported “zero indigenous malaria cases” for three consecutive years, at a time when the disease caused in Africa 384,000 deaths in 2020. Despite being part of the most affected continent by the disease, with about 94% of cases and deaths recorded globally, this milestone has made Cape Verde one of the eight countries worldwide to have eradicated this devastating disease from their population.

According to data reported by WHO this year, Algeria, Belize, China, El Salvador, The Islamic Republic of Iran, Malaysia, and Paraguay are also in the list of countries that have eliminated malaria. Quoted by Visão magazine, Pedro Alonso, the WHO Global Program against Malaria Director said that “success comes above all from political commitment within an endemic country to end the disease.” He also stated that commitment translates into “internal funding, which is often sustained for decades, even after a country is free of malaria.”

Thus, Cape Verde and Timor-Leste are the only Portuguese-speaking countries with “good results in the fight against malaria”, leaving behind potentially rich Southern African Development Community (SADC) nations such as Angola and the Democratic Republic of Congo (DRC), which are still very far from reaching this milestone.
According to WHO, most countries that “reach zero malaria have strong primary health care systems.”

Read the full article in the July issue, now available on the E&M app for Android and at login (appeconomiaemercado.com).

7
Assine a Revista Digital - Economia & MercadoAssine a Revista Digital - Economia & Mercado