3
1

Empresa angolana distinguida internacionalmente pelo terceiro ano consecutivo

A Companhia Nacional de Computadores e Sistemas de Informação repete a proeza em 2019 e vence pelo terceiro uma uma distinção internacional.

1
2
Cláudio Gomes
Fotografia
:
Carlos Aguiar
Cláudio Gomes

Tratando-se neste ano do “Prémio Programa de Qualidade e Reconhecimento de Liderança”, na categoria “Diamante”, segundo informações avançadas esta quinta-feira à Revista Economia e Mercado pelo administrador da corporação, Francisco Xavier Pedro.

Promovido anualmente pelo BID (Business Initiative Directions), o prémio visa o reconhecimento, educação e promoção da Cultura de Qualidade em todo o mundo, instituindo-se como uma marca de excelência conquistada por organizações que, na filosofia da melhoria contínua, se tornaram impulsionadoras da inovação.

Segundo o administrador da companhia, Francisco Xavier Pedro, a distinção surge na sequência da adopção, por parte da empresa, de um caminho de aprendizagem de qualidade contínua, apresentando-se como um catalisador para o benefício da comunidade da esfera onde opera.

“Este prémio é o reconhecimento do excelente trabalho que temos desenvolvido há anos em Angola. Mais que um prémio de uma empresa, é um prémio para o país, seus estudantes e professores”, considera.

A distinção “Diamante”, arrebatada este ano pela empresa angolana, é a categoria mais elevada dos prémios BID e, por inerência deste prémio, a empresa angolana passa a partir deste ano a ocupar o cargo de “Membro Honorífico” do BID, conforme explicação do administrador da companhia, Francisco Xavier Pedro.

Em 2017 e 2018 a Companhia Nacional de Computadores e Sistemas de Informação foi distinguida com os prémios “International Star Award for Quality”, atribuído pelo ISAQ, em Genebra, Suíça, e pela distinção “Excellence and Technological Innovation”, da International Convention Arch Of Europe, na Alemanha, respectivamente.

A Companhia Nacional de Computadores e Sistemas de Informação é uma empresa de direito angolano detentor do projecto “Meu Kamba”, cuja missão passa pela distribui e instala de computadores e quadros interactivos às escolas do país.

No quadro deste projecto, o “Meu Kamba” já cobre doze províncias e 91 escolas. A ideia é beneficiar 60 mil alunos até ao final de 2019.

7