3
1

Gentrificação atabalhoada

O termo gentrificação – do substantivo em Inglês "gentry", que deriva do Francês arcaico "genterise", sinónimo "de origem gentil, nobre” – designa a reestruturação de espaços urbanos antigos.

1
2
Fotografia
:
Carlos Aguiar

Muitas das grandes cidades evoluíram por este processo de enobrecimento de antigas zonas residenciais. E Luanda não foi excepção. Um exemplo recente foi o surgimento do complexo ESCOM de quatro prédios, edificados na Rua Marechal Brós Tito, onde antes existiram vivendas e pequeno comércio (quem não se lembra do A. Melo?).

O que aconteceu na cidade de Luanda depois da Independência foi o completo atropelo pelas mais elementares regras de urbanismo. Simplesmente assistimos a um processo de gentrificação completamente atabalhoado. Luanda nunca foi uma cidade muito planeada. Mas quem conhece esta cidade sabe que a urbe deixada pelos portugueses tinha marcas que denotavam uma orientação urbanística. E via-se que, em algumas avenidas onde começaram a ser erguidos prédios em substituição de moradias, as novas construções eram recuadas para alargar o espaço púbico.

O que, entretanto, se fez segue uma lógica contrária: os novos prédios não só não alinham com os antigos, como roubam parte do pouco espaço público que ainda havia. Exemplos: os prédios da Frederico Welvitschia, o prédio construído no antigo parque de estacionamento do Cinema Karl Marx, os prédios da Amílcar Cabral, o prédio construído no antigo jardim da Biker, os prédios na Avenida do Brasil, os prédios novos da Avenida Lenine, que estava planeada para ser alargada com duas faixas de rodagem. Um dia, uma senhora queniana, de visita ao nosso país, comentou comigo: Como era possível estarem a construir uma cidade nova em ruas velhas?  

A questão é que o espaço ocupado por uma vivenda unifamiliar não pode simplesmente dar lugar a uma torre habitacional de vinte andares, porque a quantidade de pessoa que ali vai morar é vinte ou trinta vezes mais e gera tráfego urbano que tem de ser tido em conta.

As urbes requerem espaço para respirar e solo para drenar águas. Se aumenta a impermeabilização do solo e não aumenta a rede de drenagem, ninguém se pode admirar que, quando chova, a cidade fique alagada e que até possam ocorrer inundações graves.

As cidades precisam de instituições que as defendam da gentrificação atabalhoada, e acredito que ninguém melhor do que uma edilidade eleita o poderá fazer.

Leia o artigo completo na edição de Março, já disponível no aplicativo E&M para Android e em login (appeconomiaemercado.com).

Messy gentrification

The word gentrification comes from the English noun "gentry", which, in turn, derives from the old French "genterise", synonym of "gentle, noble origin".

Gentrification is defined as the restructuring of old urban spaces, transforming homes and small stores into new real estate developments and projects for large-scale commerce. Many of the large cities have evolved through this process of making old residential areas noble. And Luanda was no exception. A recent example was the emergence of the ESCOM complex of four buildings, established at Rua Marechal Brós Tito, where there were before houses and small shops (who does not remember A. Melo?).

What happened in the city of Luanda after the Independence was a complete breach of the most elementary urbanism rules. We are simply witnessing a messy gentrification process. Luanda was never a planned city. But those who know Luanda recognize that the city left by the Portuguese had marks indicating urban orientation. And, in some avenues where buildings began to be constructed in order to replace the houses, the new constructions were moved back to expand the public space.

What has been done, however, follows an opposite path: the new buildings do not align with the old ones and steal part of the small public space that still existed. For example: the buildings at Frederico Welvitschia, old Karl Marx Cinema parking area, Amílcar Cabral, Biker garden, Avenida do Brasil and the new buildings at Avenida Lenine – these last ones were supposed to be extended with two traffic lanes. One day, a Kenyan lady, visiting our country, made these remarks directed at me: How was it possible they were building a new city in old streets?

The issue here is that the space previously occupied by a single-family house cannot simply be replaced by a residential tower of 20 floors, because the number of people who will live there is twenty or thirty times higher and it generates urban traffic that must be taken into consideration.

Cities require room to breathe and soil to drain water. If the soil waterproofing increases and the drainage system is not extended proportionally, it should not come as a surprise that, when it rains, the city is flooded and that severe floods may even occur.

Cities need institutions that defend them from messy gentrification, and I believe that no one better than an elected council will be able to do it.

Read the full article in the March issue, now available on the E&M app for Android and at login (appeconomiaemercado.com).

7
Assine a Revista Digital - Economia & MercadoAssine a Revista Digital - Economia & Mercado