3
1

Há necessidade de investirmos em nós

Angela Canganjo
1
2
Foto:
Carlos Aguiar

José Carlos Nascimento Amorim, nascido em Portugal a 10 de Julho de 1964, formou-se em Gestão Hoteleira pela Escola de Hotelaria e Turismo do Porto, entre 1984 e 1987.

Já trabalhou como director-geral dos hotéis Dellaz, em Cabinda e, em Portugal, São Vicente em Braga, Luz Bay em Lagos, Fénix e Meridien em Lisboa. Também já foi professor e formador no Instituto Superior de Educação e Ciências de Lisboa.

Economia & Mercado (E&M) - Qual é o segredo para se ser um bom gestor hoteleiro, em particular num mercado como o angolano onde o turismo ainda está subdesenvolvido?

José Amorim (JA) - É difícil ser-se um gestor hoteleiro na actual conjuntura económica do país. E com base no actual nível de desenvolvimento do turismo nacional é ainda mais difícil, por se tratar de uma actividade que depende de vários factores, muitas vezes condicionados pela política, pela economia e pela sociedade. Face à crise que se regista na economia, a gestão diária dos estabelecimentos hoteleiros é difícil, porque devemos estar abertos 24h por dia e isso requer meios técnicos e humanos que não são baratos. Daí que tenhamos de reforçar o controlo de custos para que consigamos manter-nos dentro das nossas capacidades financeiras.

E&M - Quais têm sido os principais obstáculos que enfrenta no exercício dessa actividade?

JA - Depende do país onde trabalhamos. Quando exerci esta actividade em Portugal o principal bloqueio estava relacionado com a falta de mão-de-obra qualificada e de promoção turística do país no estrangeiro. Isso causava alguns transtornos, nomeadamente ao nível daquilo que era a venda dos serviços ao estrangeiro,visto que o mercado português, por si só, não é suficiente para manter a actividade turística a funcionar. Entretanto, em Portugal as coisas mudaram. Já em Angola, as dificuldades prendem-se com o facto de se tratar de um país que saiu há muito pouco tempo de uma guerra que deixou marcas profundas nas pessoas e destruiu infra-estruturas.

Leia mais na edição de Novembro de 2018.

Economia & Mercado -Quem lê, sabemais!