3
1

Merkel, a líder da Europa que olhou para Angola

Duas visitas a Angola, crédito de mil milhões de dólares, Merkel colocou a Alemanha em posição privilegiada para as parcerias público-privadas. Siemens na construção do Metro de superfície.

1
2
Fotografia
:
DR

A chanceler alemã, Angela Merkel, visitou Angola duas vezes, sendo que a primeira ocorreu em 2011 e a última, e mais significativa, pelos efeitos, a 07 de Fevereiro de 2020. Teve encontro com o Presidente da República, João Lourenço, e ambos inauguraram o Fórum Económico Alemanha-Angola, do qual resultaram novas formas de cooperação bilateral, com destaque para um financiamento de mil milhões de USD, destinados à aquisição de equipamentos para apetrechar as turbinas da central hidroelétrica de Caculo-Cabaça, bem como a formação e a criação de um Cash Center no Banco Nacional de Angola. Um emaranhado de questões que põem a Alemanha na linha da frente das parcerias público-privadas no país, com destaque para o projecto do Metropolitano de Luanda, tem a Siemens como principal parceiro.

Angela Dorothea Merkel, nascida na cidade de Hamburgo, a 17 de Julho de 1954, foi eleita chanceler (igual a primeiro-ministro) da Alemanha em 2005 e foi líder do partido União Democrata-Cristã (CDU) de 2000 a 2018, tendo sido sucedida por Annegret Kramp-Karrenbauer, que viria a demitir-se, sendo substituído por Armin Laschet, em Janeiro de 2021.

Descrita como “a líder de facto” da União Europeia e uma das mulheres mais poderosas do mundo, Merkel saiu do cargo de chanceler da Alemanha em Setembro de 2021, depois de ter contribuído directamente para os avanços em termos ambientais e sociais, como a adopção de um salário mínimo nacional e a drástica decisão de fechar todas as usinas nucleares e projectos do segmento, visando uma economia de carbono zero.

É uma saída cheia de simbolismo. Governou a Alemanha por quase 16 anos. Quando assumiu o poder, George W. Bush era Presidente dos Estados Unidos, Jacques Chirac chefiava o Governo francês e Tony Blair ocupava o cargo de primeiro-ministro da Inglaterra.

Do lado oposto dos elogios, estão as críticas, entre as quais o facto de, no seu período de governação, ter sido demasiado permissiva, tendo com isso criado espaço para a existência e crescimento de um partido populista de direita no Parlamento, a Alternative für Deutschland (Alternativa para a Alemanha - AfD), que ganhou notoriedade quando, em 2015, se insurgiu contra o acolhimento de centenas de milhares de refugiados da Síria, do Afeganistão e do Iraque. E devido ao seu conservadorismo, é criticada por ter impedido avanços no desenvolvimento social e tecnológico da Alemanha. Segundo a Eurosat, o país tem menos cobertura de fibra óptica que Portugal, por exemplo. Mas, há unanimidade de que Merkel deixa Alemanha e o seu povo em melhor do que estavam quando chegou ao poder. Só isso justifica a reacção dos alemães à sua saída do poder e da vida política, um acto sem precedentes em toda a sua história.

É admirada dentro e fora da Alemanha, por ser contida, cautelosa, metódica, pragmática e evasiva, além de ser uma excelente entendedora do jogo da política. Aliás, especialistas por toda a Europa defendem que, sem as habilidades políticas de Merkel, a União Europeia teria enfrentado uma cisão interna sem precedentes, com Polónia e a Hungria de um lado e os outros 25 Estados-membros do outro. Também estava em risco a unidade entre França e a Alemanha, com as suas visões concorrentes sobre o futuro da Europa. A recuperação económica do continente ficaria suspensa, com uma pressão muito maior sobre o Banco Central Europeu. Mas, sempre especialistas, Merkel garantiu isso, com maestria, como defendeu o antigo presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, por ter sido sempre capaz de jogar de forma a elevar a Europa, sem deixar de parte os seus interesses. “A prova é a influência que teve na chegada de Ursula Gertrud von der Leyen à presidência da Comissão Europeia”, disse em entrevista a Euronews.

Leia o artigo completo na edição de Novembro, já disponível no aplicativo E&M para Android e em login (appeconomiaemercado.com).

Merkel, the European leader that looked at Angola

Two visits to Angola, USD 1 billion credit, Merkel has put Germany in prime position for public-private partnerships. Siemens in the construction of the Surface Metro to open the discussion.

The German Chancellor, Angela Merkel, visited Angola twice, the first time in 2011 and the last, and more significant because of its impact, on February 7, 2020. Angela Merkel met with President João Lourenço and both inaugurated the Germany-Angola Economic Forum, which resulted in new forms of bilateral cooperation, with emphasis on the financing of USD 1 billion for the acquisition of equipment to outfit turbines in the Caculo-Cabaça hydroelectric power plant, as well as the training of personnel and creation of a Cash Center at the National Bank of Angola. An entanglement of issues that put Germany at the forefront of public-private partnerships in the country, with focus on the Luanda Metro project where Siemens is its main partner.

Angela Dorothea Merkel, born in the city of Hamburg on July 17, 1954, was elected chancellor (equal to prime minister) of Germany in 2005, and was leader of the Christian Democratic Union party (CDU) from 2000 to 2018, having been succeeded by Annegret Kramp-Karrenbauer who would resign, replaced by Armin Laschet in January 2021.

Described as the “de facto leader” of the European Union (EU) and one of the most powerful women in the world, Merkel stepped down as Chancellor of Germany in September 2021, after having directly contributed to environmental and social advances such as the adoption of a national minimum wage and the drastic decision to close all nuclear power plants and related projects, aiming at a zero-carbon economy.

It is an exit full of symbolism. Angela Merkel ruled Germany for nearly 16 years. When she took office, George W. Bush was President of the United States, Jacques Chirac headed the French government, and Tony Blair was Prime Minister in London.

On the opposite side of the praise are the criticisms, including the fact that in her period of governance she was too permissive, thereby creating room for the existence and growth of a right-wing populist party in Parliament, the Alternative für Deutschland (Alternative for Germany - AfD), which gained notoriety when in 2015 it rose up against the reception of hundreds of thousands of refugees from Syria, Afghanistan and Iraq. And due to her conservatism, she is criticized for having prevented advances in Germany’s social and technological development. According to Eurosat, the country has less fiber optic coverage than Portugal, for example. But there is unanimity that Merkel leaves Germany and its people better off than they were when she came to power. This alone justifies the reaction of Germans to her departure from power and political life, an unprecedented act in their entire history.

Angela Merkel is admired inside and outside Germany. For being restrained, cautious, methodical, pragmatic and evasive, in addition to having an excellent grasp of the game of politics. Indeed, experts across Europe maintain that without Merkel’s political skills, the EU would have faced an unprecedented internal split, with Poland and Hungary on one side and the other 25 member states on the other. Also at risk was unity between France and Germany, with their competing visions of Europe’s future.

The continent’s economic recovery would have been put on hold, with much greater pressure on the European Central Bank. But, ever the expert, Merkel masterfully managed it, as former European Council President Charles Michel has argued, by having always been able to play in a way to elevate Europe, without leaving her interests aside. “The proof is the influence she had in the arrival of Ursula Gertrud von der Leyen to the presidency of the European Commission”, he said in an interview with Euronews.

Read the entire article in the November issue, now available on the E&M app for Android and on login (appeconomiaemercado.com).

7
Assine a Revista Digital - Economia & MercadoAssine a Revista Digital - Economia & Mercado