3
1

Professores sem qualificação

Em Angola, a maioria dos professores do ensino primário, por mais boa vontade que tenha, não tem a qualificação adequada para o exercício da actividade, considerou Alexandra Semeão, à E&M.

1
2
Fotografia
:
ISTOCKPHOTO

Para a activista, isto “exige imenso deles e, na maioria das vezes, sem que consigam obter resultados positivos”. “E o resultado é uma aprendizagem cheia de lacunas.

Estes professores merecem todo o respeito, pois estão sozinhos na maior parte do tempo dando tudo o que têm. Deveria ser equacionada uma formação de transição para garantir que não sejam desperdiçados, pois fazem falta”, considera.

Sobre os concursos públicos para o ingresso de novos professores no sistema de ensino, Alexandra Semeão considera que, em 2017, o número de crianças fora do sistema de ensino somente ultrapassou os dois milhões devido à inexistência de escolas e professores para atender à procura.

O Ministério da Educação pronunciou-se recentemente sobre este mesmo tema, tendo garantido que, além dos mais de 10 mil novos professores a serem recrutados no presente ano lectivo, a instituição está a estudar um novo modelo para quem deve ser professor, sendo que uma das premissas é a obrigatoriedade de o candidato ter uma média de 14 valores.

Alexandra Semeão mostra-se, no entanto, céptica quanto ao sucesso deste modelo, argumentando, em sua defesa, que chegou a constatar que em algumas universidades do país ingressaram candidatos com até três valores por falta de alunos com notas acima de 10.

“Infelizmente, o nível de notas no secundário é ainda muito baixo. A baixa qualidade que persiste no ensino primário contamina todo o sistema. Por isso, temo que, se não se investir com realismo e seriedade na Educação em Angola, este objectivo não será alcançado”.

Leia mais na edição de Fevereiro de 2020

Economia & Mercado – Quem lê, sabe mais!

7