1

Nova fase nas relações bilaterais entre Angola e Portugal

O Presidente da República de Angola inicia, a partir de quinta-feira, a primeira visita de Estado a Portugal, passados nove anos desde a última deslocação de José Eduardo dos Santos, em 2009.

1
2
Cláudio Gomes
Fotografia
:
DR
Cláudio Gomes

Nesta senda, o ministro da Comunicação Social, João Melo afirmou, recentemente, em Luanda, que a visita de João Lourenço que acontece de 22 a 24 de Novembro, significa a “normalização completa” das relações bilaterais entre os dois países.

De acordo com o Jornal de Angola, que cita a agência portuguesa de notícias (Lusa), órgão em o dirigente prestou uma entrevista e garantiu que o aprofundamento das relações entre Angola e Portugal depende também da normalização que se vem assistir de um tempo a esta parte entre os Estados lusofonos.

“Certamente que é uma boa notícia. Significa a normalização completa das relações institucionais entre Angola e Portugal e certamente que é uma condição para que as relações a outros níveis - económico, social, que continuem a aprofundar-se”, destacou.

Apesar de desconhecer a agenda que norteará a primeira visita oficial do Chefe do Estado angolano à Portugal, o titular da pasta comunicação social considerou, por outro lado, que existem “temas obrigatórios” que serão tratados em Lisboa por João Lourenço e Marcelo de Sousa.

“Há áreas que são obrigatórias, como a cooperação económica ou a circulação de cidadãos entre ambos os países. Certamente que vão ser objecto de debates e discussões”, disse.

Na sequência, João Melo frisou que o Governo vai, antes da concretização da referida visita, aprovar a legislação que se refere a cooperação económica e de colaboração fiscal, instrumentos definidos aquando da visita, em Setembro,do Primeiro-Ministro português, António Costa, a Angola.

Para o ministro da Comunicação Social, há muito que as autoridades angolanas “viraram a página” nas relações bilaterais entre os dois país a partir do momento que Portugal reconsiderou os acordos judiciais existentes.

“Já virámos essa página há muito tempo. Assim que Portugal, que as autoridades portuguesas, aplicaram os acordos que existem entre os nossos dois países em matéria judiciária, nós já virámos essa página há muito tempo”, disse, referindo-se ao conhecido caso que envolveu o ex-vice-Presidente de Angola, Manuel Vicente na Operação Fizz.

7