3
1

Vivíamos num país anormalíssimo em todos os aspectos

Hildebrando Melo, nascido no Huambo, viveu no Lobito e aos cinco anos foi para Portugal e cresceu entre Famalicão e o Porto, onde fez os seus estudos primários, médio e a licenciatura.

1
2
Fotografia
:
Carlos Aguiar

No ano 2000, regressou ao país e montou o seu atelier. Mais tarde, enquanto membro da União Nacional dos Artistas Plásticos (UNAP), ganhou
 uma bolsa de estudos em Nova Iorque. Em 2004 venceu o Prémio Ensarte na categoria Juventude. Ganhou um Prémio Desenhos
 na Areia, da Empresa Norsk Hidro. Nos seus mais de 20 anos de trajectória artística, conta com exposições individuais e colectivas em Angola, Portugal e Alemanha, destacando-se, neste último ano, a exposição no Festival de Arte do Mormon Arts Center, em Nova Iorque e, igualmente nos EUA, uma exposição na Universidade de Brigham Young, no Estado de Utah.

Economia & Mercado (E&M) - Qual é o segredo para se ser um bom gestor no sector das artes plásticas, em particular, num mercado tido como tão desafiante, como é o angolano?

Hidelbrando Melo (HM) - É preciso disciplina, muita disciplina, que na verdade é um requisito transversal a todas as áreas, pois sem ela não se consegue nada. A grande diferença entre uma pessoa bem-sucedida e outra mal-sucedida está na disciplina. Se apostarmos na disciplina, no rigor, no amor e no brio pelo que fazemos, havemos de chegar a algum sítio.

E&M - Quais têm sido os principais obstáculos que tem enfrentado?


HM - Os obstáculos são muitos e variados, porque lidar com arte é um desafio muito grande. A arte não é um bem imediato de primeira necessidade, logo, é muito mais específico, requer muito mais conhecimento. E depois, a arte está limitada a um certo nicho da sociedade, composto por pessoas que a apreciam e adquirem, e em Angola, esse grupo ainda é muito pequeno, o que se torna não num obstáculo, mas sim num desafio que é encarado com muito trabalho.

Leia mais na edição de Fevereiro de 2019

Economia & Mercado – Quem lê, sabe mais!

7