3
1

A evolução do stock de crédito na banca nacional em quatro anos

Na estrutura dos balanços, o crédito à economia tem perdido espaço. De acordo com dados do BNA, de Dezembro de 2020, do total de activos do sector bancário, apenas 6,31% estavam cedidos à economia.

1
2
Fotografia
:
ISTOCKPHOTO

Quando comparado ao ano de 2017, o total de activos do sector bancário registado em Dezembro de 2020 representa uma redução de 10,29%, a pior entre todas as rubricas do balanço dos bancos, o que é sintomático da conjuntura do crédito na economia.

As razões para tal padrão são várias, mas a principal passa pela contínua degradação da qualidade do crédito na economia, reflexo de cinco anos consecutivos de destruição de riqueza, manutenção de elevados níveis de preços, baixo nível de empregabilidade e contínua redução do poder de compra da moeda e, seguramente, o incremento das necessidades de endividamento do Estado, que têm impulsionado o nível de competitividade dos Títulos Públicos e induzido os bancos a colocar relevante parte dos seus recursos em investimento nos instrumentos públicos, em detrimento da concessão de crédito à economia.

Este desempenho tem contribuído para que o rácio de transformação do sector – transformação dos depósitos captados em créditos concedidos – apresente uma tendência de queda, tendo saído dos 49,30% em 2017 para 32,72%, em 2020. Com efeito, vários questionamentos têm sido levantados sobre o real impacto do crédito na economia. Numa conjuntura em que a economia, como um todo, vai destruindo riqueza, enquanto o sector bancário em média tem apresentado níveis de rentabilidade robusta. E é nesta aparente dicotomia que o BNA, em linha com a estratégia do Governo, decidiu definir uma lista de 54 produtos que seriam elegíveis ao crédito em condições favoráveis, ao mesmo tempo que mantém a trajectória restritiva da sua política monetária, de modo a evitar uma expansão dos preços na economia.

Ainda assim, o stock do crédito tem assistido a uma redução significativa, tendo saído dos 25,63% do PIB em 2015, para 14,38% do PIB em 2020, uma queda significativa que está a traduzir-se no fraco desempenho dos níveis de Formação Bruta de Capital Fixa, na economia, prevista no Plano de Desenvolvimento Nacional (PDN 2018-2022). Essa tendência de queda tem sido justificada pelo crescente aumento no rácio de crédito malparado na economia e pela manutenção de taxas de juros atractivas dos Títulos do Tesouro, que no mesmo período registaram um aumento de 15,63% para 16,43% do PIB.

Dar nota que, em quatro anos, de 2017 a 2020, a taxa de crescimento do stock foi de 26,81%, ao situar-se em 4 586,85 mil milhões Kz. Esse desempenho, quando corrigido pelo aumento da taxa de inflação registada em igual período de análise, representa uma contracção real de 26,80%. Relativamente ao destino do crédito do sector bancário, destaca-se que o sector privado captou 89,78% do total de crédito concedido, enquanto o remanescente foi alocado ao sector público, um desempenho que se manteve quase que inalterado no período em referência.

Leia o artigo completo na edição de Setembro, já disponível no aplicativo E&M para Android e em login (appeconomiaemercado.com).

The evolution of the stock of credit in the national banking sector over four years

In the balance structure, credit to the economy has been losing space. According to figures from the National Bank of Angola (BNA) for December 2020, only 6,31 % of the total banking sector assets had been provided to the economy.

Compared to 2017, the total assets of the banking sector recorded in December 2020 represent a reduction of 10,29%, the worst among all items on the balance structure of banks, which is a symptom of the credit situation in the economy.

There are varied reasons for such a pattern. The most important of which passes through a non-stop degradation of the credit quality in the economy, which is a reflection of the five years in a row of wealth destruction, the maintenance of the high level of prices, low level of employment, further decline of the purchasing power of the currency, and, undoubtedly, the increase of the debt needs by the Government, which have increased the level of competitiveness of the Public Securities, and led the banks to apply a relevant portion of their investment to the public tools , at the expense of granting credit to the economy.

This performance has contributed for the sector's transformation ratio - a transformation of deposits secured via the loans granted - to demonstrate a downward trend, falling from 49,30% in 2017 to 32,72% in 2020. Indeed, several questions have been raised about the real impact of the credit on the economy. In a situation where the economy as a whole is destroying wealth, while the banking sector on average has shown robust levels of profitability. And it is in this apparent dichotomy that the BNA, in line with the government's strategy, decided to define a list of 54 products that would be eligible for credit on favorable terms, while maintaining the restrictive trajectory of its monetary policy in order to avoid a price expansion in the economy.

Still, the credit stock has seen a significant reduction, having gone from 25,63% of the GDP in 2015, to 14,38% of the GDP in 2020, a significant decrease that is translated into the poor performance of the levels of the Gross Fixed Capital Formation in the economy, provided for in the National Development Plan (PDN 2018-2022).

This downward trend has been justified by the growing non-performing loans across the economy and by the maintenance of attractive interest rates on Treasury bonds, which in the same period registered an increase from 15,63% to 16,43% of the GDP.

Note that in four years, 2017 to 2020, the growth rate of stock was at 26,81%, reaching Kz 4 586,85 billion. This performance, when corrected by the increase in the inflation rate recorded in the same period under review, represents an actual contraction of 26,80%. Regarding the destination of the credit from the banking sector, it is noteworthy that the private sector captured 89,78% of the total credit granted, whereas the remaining was allocated to the public sector – this is a performance that remained almost unchanged over the period under review.

Read the full article in the Setember issue, now available on the E&M app for Android and at login (appeconomiaemercado.com).

7
Assine a Revista Digital - Economia & MercadoAssine a Revista Digital - Economia & Mercado