3
1

ANPG e TotalEnergies anunciam primeiro desenvolvimento do bloco 17/06

A decisão final de investimento para a Área de Desenvolvimento Begónia, localizada na bacia marítima do Baixo Congo, a cerca de 150 quilómetros da costa angolana, já foi tomada.

1
2
Fotografia
:
DR

A Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANPG), a TotalEnergies e os seus parceiros do Bloco 17/06 anunciam a decisão final de investimento para a Área de Desenvolvimento Begónia, localizada na bacia marítima  do Baixo Congo, a cerca de 150 quilómetros da costa angolana.

O reservatório Begónia será desenvolvido através de cinco poços submarinos (três de produção e dois de injecção de água), ligados à unidade flutuante de produção, armazenamento e descarga FPSO Pazflor, em produção desde 2011 no Bloco 17. O primeiro óleo, previsto para o primeiro semestre de 2025, vai aumentar a produção do FPSO Pazflor em cerca de 30.000 barris petróleo por dia.

O Begónia é o segundo projecto operado pela TotalEnergies em Angola a beneficiar de uma engenharia inovadora e de um novo quadro contratual para a padronização do Sistema de Produção Submarino, capaz de reduzir os custos até 20% e acelerar o processo de aquisição.

Para o Presidente do Conselho de Administração da Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis, Paulino Jerónimo, a decisão final de investimento do Begónia "é fundamental para sustentar a produção de Angola, optimizando os activos e recursos existentes. A Concessionária Nacional tudo continuará a fazer para que os operadores e os seus parceiros tenham as melhores oportunidades para expandirem e incrementarem a sua actividade no nosso país e para que contribuam para o aumento da produtividade e da eficiência do nosso sector petrolífero ".

O Director Geral da TotalEnergies em Angola, Olivier Jouny, sublinha que "este primeiro desenvolvimento submarino de conexão interblocos vai maximizar a utilização da infra-estrutura do Pazflor, reduzindo os custos e a intensidade de carbono, em linha com a estratégia da TotalEnergies. Neste emblemático bloco, a TotalEnergies mostra a sua liderança em águas profundas, a baixo custo (menos de 20 dólares por barril), graças à padronização do equipamento submarino". O mesmo responsável acrescentou que "esta decisão final de investimento antecede a assinatura prevista da concessão da central de energia solar Quilemba, no Lubango, evidenciando a aposta e o desenvolvimento multi-energia da TotalEnergies em Angola".

Com um investimento de 850 milhões de dólares, o projecto de desenvolvimento vai envolver 1,3 milhões de horas de trabalho, das quais 70% serão executadas em Angola, principalmente na base industrial de Luanda, e no offshore. A TotalEnergies opera o Bloco 17/06 com uma participação de 30%, juntamente com a Sonangol P&P (20%), SSI (27,5%), Somoil (10%), ACREP (5%) Falcon Oil (5%) e PTTEP (2,5%).

7