3
1

Dependência do petróleo retardará crescimento da economia

Angola deverá ultrapassar Marrocos no final da década de 2020 para
se tornar na terceira maior economia africana de rendimento médio-baixo, podendo, até 2050, crescer quase sete vezes.

1
2

Entretanto, a forte dependência das exportações do petróleo continua a ser um mau augúrio para o futuro do país.

“Apesar de décadas de rápido crescimento económico em Angola, uma educação de qualidade e um bom nível de vida permanecem fora do alcance da maioria dos angolanos. A desaceleração económica induzida pela queda do preço do petróleo a partir de 2014 exacerbou os já elevados níveis de pobreza extrema, particularmente nas províncias rurais”. Este é o destaque do relatório “Cenários futuros de Angola 2050 - Para além do Petróleo”, do Instituto de Estudos de Segurança, assinado pelas pesquisadoras Lily Welborn, Jakkie Cilliers e Ste- llah Kwasi.

Lançado em Março deste ano, o documento refere que, por volta de 2040, prevê-se que Angola venha a ultrapassar a Argélia em dimensão económica. Até ao ano de 2050, a economia nacional deverá ter aumentado para mais de 994 mil milhões de dólares – um aumento de quase sete vezes, quando comparado com o ano de 2020 – tornando-a, assim, a quarta maior economia de África, depois da Nigéria, Egipto e África do Sul. No entanto, lê-se, “a forte dependência de Angola das exportações de petróleo bruto não é bom augúrio para o futuro”.

Com um Produto Interno Bruto (PIB) estimado em cerca de140 mil milhões de dólares em taxas de câmbio de mercado, Angola é a sexta maior economia de África, a quarta maior entre os países de rendimento médio-baixo e a segunda maior da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC). Todavia, referem as pesquisadoras, “o peso da economia angolana obscurece a sua vulnerabilidade ao volátil mercado global do petróleo”, que lhe tem causado prejuízos desde o advento da produção de petróleo de xisto em grande escala nos Estados Unidos.

Assine a revista E&M e leia o artigo completo em www.economiaemercado.co.ao (secção Assinaturas) e na App disponível Google Play.

7
Assine a Revista Digital - Economia & MercadoAssine a Revista Digital - Economia & Mercado