3
1

Insuficiência renal, uma doença silenciosa

José Zangui
1
2
Foto:
ISTOCKPHOTO E JA IMAGENS

Angola tem, actualmente, pouco mais de 1800 pessoas registadas com insuficiência renal. De 2018 até Dezembro de 2020, trezentos pacientes morreram, um número que preocupa as autoridades.

O número de doentes controlados pelas autoridades de Saúde não corresponde à realidade, segundo fontes da Economia & Mercado, sendo que, de acordo com especialistas, há possibilidades de existirem centenas de indivíduos com problemas renais que desconheçam o seu estado de saúde.

Em Angola, estima-se que existam mais de 1800 pessoas com insuficiência renal, conforme dados da Sociedade Angolana de Nefrologia (SAN). A hemodiálise tem sido a solução para o prolongamento do tempo de vida dos doentes, cujos custos são suportados a 100% pelo Estado.

Segundo o presidente da SAN, Matadi Daniel, numa entrevista ao Jornal de Angola, o tratamento da doença é caro, tendo acrescentado que um paciente pode custar entre 200 e 300 dólares por cada sessão de hemodiálise, dependendo do tipo de insuficiência renal. Para manter um doente em diálise permanente, reforçou o especialista,  o Estado gasta entre 35 a 40 mil dólares por ano, daí que se considera que “o transplante fica muito mais barato do que essa forma de tratamento”.

De acordo com a directora clínica do Centro Sol, em Luanda, Vanda Teixeira, “a insuficiência renal é uma doença silenciosa”, sendo que, na maior parte dos casos, quando é detectada, já está em estado avançado ou crónico. Entre os sintomas, destacam-se a diminuição da urina diária, náuseas, tonturas, hipertensão associada e falta de apetite.

Leia o artigo completo na edição de Maio, já disponível no aplicativo E&M para Android e em login (appeconomiaemercado.com).

Renal insufficiency, a silent disease

Angola currently has just over 1800 people registered with kidney failure. From 2018 to December 2020, three hundred patients have died, a figure that worries the authorities.

The number of patients controlled by the Health Authorities does not correspond to reality, according to sources of Economia & Mercado, and according to specialists, there are likely to be hundreds of individuals with kidney problems who are unaware of their state of health.

In Angola, it is estimated that there are over 1800 people with kidney failure, according to data from the Angolan Society of Nephrology (SAN). Hemodialysis has been the solution for prolonging the life span of patients, the costs of which are borne 100% by the State.

According to the president of SAN, Matadi Daniel, in an interview with the newspaper Jornal de Angola, treatment for the disease is expensive, adding that a patient can cost between US$200 and US$300 for each session of hemodialysis, depending on the type of kidney failure. To keep a patient on permanent dialysis, the specialist added, the state spends between US$35,000 and US$40,000 per year, which is why it is considered that "transplants are much cheaper than this form of treatment”.

According to the clinical director of the Centro Sol in Luanda, Vanda Teixeira, "kidney failure is a silent disease", and in most cases, when it is detected, it is already in an advanced or chronic stage. Among the symptoms are the reduction of daily urine, nausea, dizziness, associated hypertension, and lack of appetite.

Read the full article in the May issue, now available on the E&M app for Android and at login (appeconomiaemercado.com).