3
1

Não cruzar os braços e ir à luta

É com determinação que a Etosha Trading tem representado em Angola, desde 2013, os produtos da Vista Alegre – o maior grupo português de “tableware” e sexto maior do mundo no sector.

1
2
Cláudio Gomes
Fotografia
:
Carlos Aguiar
Cláudio Gomes

Em 2013, a empresa angolana inaugurou a primeira loja da marca fundada em Portugal, em 1824, na zona da Sagrada Família para, em 2017, se transferir para as Torres Loanda, localizadas no eixo viário, para um, espaço com quase o dobro de área, 150m².

De acordo com a sua directora-geral, Kanda Kassoma, a empresa está totalmente empenhada no segmento private e corporate, com quem comercializa produtos da marca Vista Alegre. “Criámos um espaço de verdadeiro requinte e conforto para os nossos clientes, com uma área de exposição de produtos bastante generosa”, afirmou, tendo manifestado a pretensão de investir na abertura de uma segunda loja em Luanda, bem como montar um showroom específico para o atendimento ao segmento Horeca (hotéis, restaurantes e cafés). Salientou, entretanto, que esta pretensão permanece no papel por força da desafiadora pandemia da Covid-19.

Segundo a gestora, o volume de negócios ronda, actualmente, os 230 milhões de kwanzas, sendo que em 2019 chegou a atingir os 264,5 milhões de kwanzas. Mas como o ano ainda não terminou, para 2020 a meta estabelecida é de 350 milhões de kwanzas.

Apesar de todos os constrangimentos decorrentes da Covid-19, afirma Kanda Kassoma, ainda não há motivos de queixas. “Temos à porta a época natalícia, que é sempre o melhor período de vendas para a Vista Alegre”, disse, realçando que o período representa cerca de 40% do volume total de negócios do ano. Mas, também é verdade que a Etosha Trading enfrenta algumas dificuldades que afectam o crescimento do seu negócio no país. “Os maiores desafios são sem dúvida os que estão ligados à importação das peças, como o acesso às divisas em tempo útil e a instabilidade cambial”, revelou a gestora.

No portefólio da marca consta um valioso e diversificado leque de peças, que integra tableware, hotelware e decorativas, em porcelana, cristal e vidro. Desta variedade, destaca-se a chamada “Colecção Angola”, que compreende um conjunto seleccionado de peças desenvolvidas exclusivamente para o mercado nacional, inspiradas na cultura angolana. Tratam-se dos Serviços Samakaka Blue, Mixinda e Rosa de Porcelana.

Leia o artigo completo na edição de Novembro da Economia & Mercado ou assine em https://appeconomiaemercado.com/office/cliente/angola/login.php

Don’t twiddle your thumbs, step into the fight

It is with firmness of purpose that Etosha Trading has been locally representing, since 2013, the products of Vista Alegre - the largest Portuguese tableware group and the sixth largest in the world, with over 200 stores worldwide.

In 2013, the Angolan company opened the first store of the brand founded in Portugal, in 1824, in and around Sagrada Família, moving, in 2017, to Torres Loanda, on Eixo Viário, to a 150m² space, almost double the store’s initial area.

According to the general manager, Kanda Kassoma, the company is fully committed to selling Vista Alegre brand products to private and corporate clientele. “We have created a space of true refinement and comfort for our customers, with a very spacious product display area,” she said, expressing the intention to invest in the opening of a second store in Luanda, as well as setting up a specific showroom to serve the Horeca segment (hotels, restaurants and cafes). However, she added, this intention remains on paper due to the challenging Covid-19 pandemic.

According to the manager, the turnover is currently estimated in 230 million kwanzas, reaching 264.5 million kwanzas in 2019. But as the year is not yet over, the target for 2020 is 350 million kwanzas.

Despite all the constraints arising from Covid-19, says Kanda Kassoma, there are still no grounds for complaint. “We have Christmas coming up, which is always the best sales period for Vista Alegre,” she said, pointing out that the holiday season represents nearly 40% of the year’s total turnover. However, it is also true that Etosha Trading faces some difficulties that affect the growth of their business in the market. “The biggest challenges are undoubtedly those linked to importing the pieces, such as timely access to foreign currency and exchange rate volatility,” disclosed the manager.

The brand’s portfolio includes a valuable and diverse range of items, such as tableware, hotelware and décor, in porcelain, crystal and glass. From this range, the “Angola Collection” stands out, comprising of a select set of pieces developed exclusively for the national market, inspired by Angolan culture. These are the Samakaka Blue, Mixinda and Rosa de Porcelana services.

Read the full article in the November issue of Economia & Mercado Magazine or subscribe at https://appeconomiaemercado.com/office/cliente/angola/login.php

7
Assine a Revista Digital - Economia & MercadoAssine a Revista Digital - Economia & Mercado