3
1

Os desafios da explosão urbana

Angola, com uma taxa de fecundidade acima de 6, está na categoria de países com fertilidade mais elevada do mundo…

1
2
Fotografia
:
Carlos Aguiar

Informações disponíveis no site visualcapitalist.com, baseada em dados das Nações Unidas, das 20 cidades que mais crescem no mundo, 17 localizam-se na Africa Subsaariana.

De acordo com o site em referência, quatro estão na Nigéria e três em Angola, nomeadamente, Uíge, Malange e Kuito. O objectivo desta nota é fazer uma pequena reflexão sobre os desafios dessa explosão urbana.

A taxa de fecundidade na África Subsaariana, em 2019, foi de 4,6 que compara com a média mundial de 4,2 – dados do Banco Mundial. Segundo algumas informações disponíveis, nascem mais crianças por dia na Nigéria do que na Europa toda. A manter-se este ritmo, a população de África representará mais de 40 % da população mundial no final do corrente século.

Angola, com uma taxa de fecundidade acima de 6, está na categoria de países com fertilidade mais elevada do mundo, segundo dados do Relatório da Directriz do Plano Nacional da População, apresentado recentemente em Luanda (Jornal de Angola de 21/7). Como resultado, a taxa anual de crescimento populacional está acima dos 3%. Com um ritmo de crescimento actual de um milhão de pessoas por ano, a população angolana duplica em 20 anos.

Por outro lado, a taxa de urbanização está a acentuar-se bastante e há indicações que dão conta de que, em 2025, a taxa de urbanização em Angola se aproximará dos 70 % e que, em poucos mais anos, poderá ultrapassar os 80 %, igualando ou suplantando a média do hemisfério norte.

O crescimento demográfico, por um lado, e o êxodo rural, por outro, estão a redundar numa explosão urbana que conduzirá à concentração da população angolana em grandes metrópoles. Podemos antever já como grandes metrópoles, para além de Luanda, Uíge-Negaje, Lobito-Benguela, Huambo-Caála, Kuito e Malange.

O grande desafio desta explosão urbana, para além da complexidade que é governar grandes urbes, será, como dizia em tempos um antigo ministro da Agricultura da Nigéria, o de saber como alimentar uma população urbana dessa magnitude.

Em resumo, é preciso pensar quanto antes, em como governar e sustentar um país que está a evoluir muito rapidamente para um padrão baseado em megacidades, o que passa necessariamente pela aposta na agroindústria de elevado rendimento e no reposicionamento das indústrias associadas aos recursos do mar.  

Leia o artigo completo na edição de Dezembro, já disponível no aplicativo E&M para Android e em login (appeconomiaemercado.com).

The challenges of the urban explosion

According to information published on the visualcapitalist.com website, based on United Nations data, of the 20 fastest growing cities in the world, 17 are located in Africa below the Sahara, 4 in Nigeria and 3 in Angola, namely Uige, Malange and Kuito. The purpose of this column is to make a brief reflection on the challenges of this urban explosion.

The fertility rate in Africa below the Sahara, in 2019, was 4.6, which is comparable to the world average of 4.2 - World Bank data. According to some available information, more children are born per day in Nigeria than in all of Europe. If this rate is maintained, Africa’s population will represent more than 40% of the world population by the end of this century.

Angola, with a fertility rate above 6, is in the category of countries with the highest fertility in the world, according to data from the National Population Plan Guideline Report presented recently in Luanda (Jornal de Angola, 21/7). As a result, the annual population growth rate is above 3%. With a current growth rate of one million people per year, the Angolan population doubles in 20 years.

On the other hand, the urbanization rate is getting much higher and there are indications that, in 2025, the urbanization rate in Angola will be close to 70% and that in a few more years it could exceed 80%, equaling or surpassing the Northern Hemisphere average.

The demographic growth, on the one hand, and the rural exodus, on the other, are resulting in an urban explosion that will lead to the concentration of the Angolan population in large metropolises. We can already foresee as large metropolises, besides Luanda, Uíge-Negaje, Lobito-Benguela, Huambo-Caála, Kuito and Malange.

The great challenge of this urban explosion, beyond the complexity of governing large cities, will be, as a former Minister of Agriculture of Nigeria once said, to know how to feed an urban population of this magnitude.

In short, it is necessary to think as soon as possible about how to govern and sustain a country that is evolving very quickly to a pattern based on megacities, which necessarily involves a bet on high-yield agribusiness and the repositioning of industries associated with the resources of the sea.    

Angola, with a fertility rate above 6, is in the category of countries with the highest fertility in the world...

Read the full article in the December issue, now available on the E&M app for Android and at login (appeconomiaemercado.com).

7
Assine a Revista Digital - Economia & MercadoAssine a Revista Digital - Economia & Mercado