3
1

Potencial mineiro no Uíge exige financiamento público

Fernando Baxi
14/5/2023
1
2
Foto:
Isidoro Suka

O governador José Carvalho da Rocha manifestou a intenção da província do Uíge beneficiar do investimento mineiro nacional, a julgar pelas potencialidades geológico-mineiras daquela região.

José Carvalho da Rocha anunciou o propósito no oitavo conselho consultivo alargado do Ministério dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás (MIREMPET), realizado na cidade do Uíge, nos dias 11 e 12 de Maio de 2023, como refere o comunicado final do evento.

As actividades de prospecção e exploração de minérios, que originaram a construção da primeira mina subterrânea de cobre no País "Mina do Tetelo", na comuna de Quibocolo, município de Maquela do Zombo, justificam o investimento na província do Uíge.

O projecto de exploração mineira de metais não ferrosos, que gastou 16 milhões USD, de Junho de 2021 a 2023, está a cargo da empresa Shining Star Icarus, Lda (SSI). A zona de concessão estende-se aos municípios da Damba, Songo Bembe e Ambuila, cerca de 6 mil 075 quilómetros quadrados.

30 mil toneladas de cobre por ano

A exploração mineira será feita em duas minas. Uma a céu aberto e outra subterrânea, a primeira inicia a produção no segundo semestre de 2024; a segunda em finais de 2025. Ambas em pleno funcionamento, estima a SSI, a produção será de 4 mil toneladas de concentrado de cobre por dia e 30 mil toneladas de metal contido (cobre) anualmente.

O trabalho na Mina do Tetelo, cuja construção é da responsabilidade da Sinohydro Construction Angola, é garantido por 210 trabalhadores, dos quais 175 são angolanos e 35 chineses. A força de trabalho angolana neste projecto representa 83% do total.

Diamantino Pedro Azevedo, ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás (MIREMPET), lançou a primeira pedra para construção da mina subterrânea de cobre do Tetelo, a primeira do género na história da indústria mineira em Angola. José Carvalho da Rocha, governador do Uíge, testemunhou o acto do auxiliar do Presidente da República, João Lourenço, nas vestes de Titular do Poder Executivo.

Conselho consultivo do MIREMPET

Para o sector dos recursos minerais, o oitavo conselho consultivo alargado do MIREMPET apreciou os termos de referência a fim de elaborar a estratégia de longo prazo "Angola 2025"; o Sistema de Informação de Gestão Integrado dos Recursos Minerais de Angola.

Também foi apresentado o ponto de situação sobre a implementação dos projectos de prospecção e exploração, assim como a efectivação do Plano Nacional de Geologia.

O evento apreciou igualmente a implementação do programa de reestruturação da ENDIAMA EP e o papel no fomento da exploração semi-industrial de diamantes.

Ainda no domínio dos diamantes, bordou-se a questão da comercialização, lapidação e certificação, tendo sido analisado o estado de implementação da Bolsa de Diamantes e a reestruturação do Sistema Internacional de Certificação do Processo Kimberly.

Quanto ao sector do petróleo e gás, foram analisados os termos de referência também para elaboração da estratégia de longo prazo "Angola 2025"; a capacidade de armazenamento em terra; produção e distribuição de derivados de petróleo no País.

Mereceu igualmente a atenção dos participantes ao oitavo conselho consultivo alargado do MIREMPET, a execução e financiamento do conteúdo local; os projectos em cursos, no âmbito da estratégia de exploração de petróleo e biocombustíveis; construção de refinação, assim como o crescimento e diversificação do sector do petróleo e gás.