3
1

Projekta/2019 marcado pela fraca participação de visitantes

A Feira Internacional de Equipamentos, Serviços para a Construção Civil, Obras Públicas, Urbanismo, Arquitectura, Decoração de Interiores e Imobiliário, registou nos primeiros dias fraca participação.

1
2
Redacção_E&M
Fotografia
:
DR
Redacção_E&M

Apesar de a organização estar expectante em poder a vir obter bons resultados até ao dia do enceramento do evento, segundo disse a gestora da feira, Manuela Conceição, os dois primeiros dias, 13 e 14, da 16ª edição da Projekta, foram uma “seca” em termos de presença de visitantes.

No primeiro dia após a inauguração foi marcado pela chova, uma das razões que afugentou expositores e visitantes. Até as 17horas eram poucos os visitantes que percorriam os cerca de 100 stands.

Alguns expositores são de opinião de que o local, a Zona Económica Especial Luanda/Bengo, devido à sua localização, longe da cidade e o período chuvoso afugenta alguns possíveis visitantes, isto, aliado ao preço do bilhete acesso que custa 1000 kwanzas.

Para o presidente da Associação dos Profissionais de Imobiliárias de Angola (APIMA), Pedro Caldeira, em relação pouca a participação das instituições empresariais tem a ver com a fraca capacidade financeira para esses grupos suportarem as despesas em eventos do género. Posição igualmente defendida pelo gestor de negócios da empresa Vitrum, importadora de vidros, Nuno Ramos.

“É difícil para empresas que estão a sobreviver terem condições para custear despesas com feiras, embora reconheça que esses eventos sejam “bastante importantes para a promoção de produtos e serviços e troca de experiências entre os intervenientes dos diferentes sectores da economia do país”, disse.

O gestor da Vitrum reforça que há clientes do sector da construção civil que caíram devido a crise e isso impacta na vida das empresas que hoje, tal como nas casas, tem de tomar medidas de contenção.

O sector da construção caiu, nos últimos quatro anos em níveis inimagináveis, segundo alguns expositores, situação que agravou com as escassez das divisas. Mas “os mais audazes disseram sim, a feira e estão a mostrar aquilo que o país dispõe, acrescentou, Pedro Caldeira, da APIMA.

Não obstante as dificuldades, Manuel Conceição, Gestora da Projekta, confirmou a E&M, a presença de 100 expositores e segundo disse, até ao dia do arranque houve solicitações de mais empresas que não foram admitidas por uma questão de organização, ou seja, fizeram-no por cima do prazo programado para as inscrições.

7