3
1

Quando a família se torna uma ameaça para a criança

O lugar da criança é na família. Mas sabe-se que muitos menores vivem adversidades no seio familiar, que vão desde a violência verbal aos abusos físicos e psicológicos.

1
2
Fotografia
:
DR

Apenas 1% das crianças angolanas não sofre nenhum tipo de privações, enquanto três em cada quatro crianças com menos de 18 anos sofrem entre três a sete privações ao mesmo tempo. É o que revela um estudo do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) sobre Angola, que aponta ainda que muitas crianças estão privadas, simultaneamente, de saúde, educação e nutrição.

Tendo em conta as privações multidimensionais ou simultâneas, o estudo “A criança em Angola - Uma análise multidimensional da pobreza infantil”, publicado em 2018 pela UNICEF, refere que a maioria das crianças que vive em áreas urbanas está sujeita a duas ou três privações simultaneamente e, nas áreas rurais, a maioria sofre cinco ou seis dimensões de privação simultâneas.

De acordo com o Instituto Nacional da Criança (INAC), em 2019, cerca de 80% dos actos de violência contra crianças ocorreram no meio familiar, facto que tem propiciado a fuga de muitos menores do convívio com a família.

O INAC registou também 46 casos de crianças acusadas de práticas de feitiçaria, dos quais 31 do género masculino e 15 do género feminino. Segundo o “Jornal de Angola”, do total de casos catalogados pela instituição de defesa da criança, 39 processos desta natureza foram concluídos e vão seguir os trâmites apropriados junto dos órgãos de Justiça.

Leia o artigo completo na edição digital referente ao mês de Junho, já disponível no site e no aplicativo E&M para Android. Economia & Mercado – Quem lê, sabe mais.

7
Assine a Revista Digital - Economia & MercadoAssine a Revista Digital - Economia & Mercado