3
1

Sul-africanos convidados a investir no interior de Angola

Uma missão empresarial sul-africana composta por 25 empresários trabalhou, recentemente, em Angola, tendo percorrido algumas províncias do interior para explorar oportunidades de negócios.

1
2
Redacção
Fotografia
:
DR
Redacção

O primeiro dia de trabalhodos empresários sul-africanos ficou marcado pela participação no fórum empresarial sobre comércio e investimento, promovido pela embaixada da Áfricado Sul em Angola. Na ocasião, a Agência de Investimento Privado e Promoção das Exportações (AIPEX) convidou os sul-africanos, a investirem fora de Luanda, onde segundo, o técnico da AIPEX, Hélder Sampaio, há muitas oportunidades de negócio entretanto pouco exploradas porque, grosso modo, os investidores estrangeiros preferem instalarem-se na capital do país, Luanda.

Hélder Sampaio apresentou o quadro detalhado sobre o ambiente de negócio em Angola e apontou as vantagens para quem escolher investir no interior, destacando, além dos benefícios fiscais outros incentivos.

“Hoje por exemplo, não há a exigência de valores máximos nem mínimo para se investir em Angola, contrariamente a lei do investimento anterior que exigia um montante mínimo de 100.000 de dólares”, esclareceu, acrescentado que, foi também banida a obrigação de o estrangeiro estabelecer parceria com nacionais, podendo por si só investir em Angola.

Os empresários sul-africanos ficaram a saber também das áreas que o Governo angolano definiu como prioritárias: agricultura, ensino, saúde, industria, construção e obras públicas, suinicultura, turismo e electricidade.

A África do Sul faz parte do top 5 dos parceiros comerciais de Angola, a par da China, India, Estados Unidos da América, Espanha e França.

As trocas comerciais entre Angola e África do Sul, em 2018, cifraram-se em 5.497.126.263 kwanzas (230 milhões de randes), segundo dados da embaixada sul-africana, em Angola.

As exportações sul-africanas resumem-se a produtos da cesta básica, sobretudo com a cadeia de supermercado Shoprite, presente em 15 províncias, enquanto no sentido inverso o petróleo e seus derivados continuam a liderar as importações.

Cerca de 30 empresas sul-africanas estão implantadas em Angola, deste número poderá se juntar as 25 que estudam o mercado angolano. Segundo a Kwanda Modise, representante do Ministério do Comércio e Indústria da África do Sul, as exigências colocadas pelos sul-africanos são a garantia jurídica e do repatriamento dos dividendos, entretanto acauteladas por lei, de acordo com o representante da AIPEX.

Dados da APIEX indicam que, desde Agosto de 2018, com a entrada em vigor da nova lei de investimento até Setembro deste ano, foram criados 4.000 empregos e no período em referência aquela instituição recebeu 178 projectos, alguns já em execução e outros em análise.

O fórum empresarial sobre comércio e investimento, promovido pela embaixada da Africa do Sul em Angola, que teve lugar em Luanda durante três dias, teve como objectivos criar uma plataforma para as empresas dos dois países estabelecerem relações comerciais mutuamente vantajosas, aumentar o investimento e o comércio e encontrar estratégias em como Africa do Sul e Angola podem liderar o investimento no continente.  

7