3
1

“Os preços praticados ficam muitas vezes aquém da qualidade”

Pelo menos 11 instituições de ensino particular encerram as portas, desde o início da pandemia da Covid-19, em Março de 2020, revelou o presidente da Associação Nacional do Ensino Particular (ANEP).

1
2
Fotografia
:
Carlos Aguiar

Em entrevista à Economia & Mercado, António Escórcio Pacavira disse que de Outubro de 2020 à presente data, a recuperação financeira das insituições de ensino particular que conseguiram "sobreviver" a desatadora crise pandemica, economica e financeira, ocorre de forma "ainda lenta", considerando a alta taxa de inflação.

Natural do Huambo, o líder associativo tem 34 anos de experiência como profissional da Educação, trabalhou no ensino público, transferindo-se em 1998 para o ensino particular, tem duas licenciaturas, sendo uma em Direito pela Universidade Agostinho Neto e outra em Pedagogia pela FAAG/SP Brasil, tem formação médio em Educação pelo INNE Garcia Neto.

Actualmente, entre outras funções, é o promotor e director-geral do Colégio Real Século XXI. É ainda formador e palestrante a nível nacional e internacional, exerceu, funções de subdirector pedagógico do Antigo colégio Da Cruz Linda, subdirector pedagógico/director-geral do Colégio Jacimar, director-geral do Colégio Pitabel.

Começou um novo ano lectivo. Qual é o estado actual do ensino privado em Angola?

O estado actual do ensino privado em Angola caracteriza-se por uma estabilidade relativa face às recessões económicas dos últimos anos, agravadas pela "tempestade" provocada pela Covid-19, que atingiu fortemente o sector da Educação. De Outubro de 2020 à presente data, verifica-se uma retoma das actividades e, concomitantemente, a recuperação financeira de forma ainda lenta, condicionada pela alta taxa de inflação, situação que levou ao encerramento de pelo menos 11 colégios distribuídos pelas várias províncias do país. Apesar desses constrangimentos, salienta-se o surgimento de novas estruturas escolares privadas nas províncias do Huambo e do Bié.

Há quem diga que os preços praticados são especulativos. Quer comentar?

Relativamente a esta questão, a nossa análise divide-se em duas partes. Primeiro é que existem no mercado escolas estrangeiras que praticam preços indexados ao dólar e que vão de 500.000 a 1.000.000 de kwanzas por mês. Sobre estas escolas, a ANEP não tem responsabilidades. Segundo, os colégios de direito angolano não especulam os preços porque não têm autonomia, não estão inseridos no regime de preços livres, sendo dependentes das análises e decisões previstas e regulamentadas para as instituições colocadas no regime de preço vigiado. Deste modo, os preços praticados ficam, muitas vezes, a quem da qualidade dos serviços prestados e da estrutura de custos, pois o aumento autorizado das propinas em termos percentuais é sempre inferior à taxa de inflação.

Leia o artigo completo na edição de Outubro, já disponível no aplicativo E&M para Android e em login (appeconomiaemercado.com).

“The prices often fall short of the quality”

António Escórcio Pacavira, born in Huambo province, has a 34-year career as an Education professional, having worked in public education system before joining the private education sector in 1998. He has a Law Degree from Agostinho Neto University, a Teaching Degree from FAAG/SP Brazil, and a technical qualification in Education from INNE Garcia Neto. He is an instructor and lecturer at a national and international level. Among other positions in private schools, he was sub-director of pedagogy of former Colégio da Cruz Linda, sub-director of pedagogy/general director of Colégio Jacimar, general director of Colégio Pitabel, and is currently the spokesperson and general director of Colégio Real Século XXI.

A new school year has begun. What is the current state of private education in Angola?

The current state of private education in Angola is relatively stable if we consider the economic recessions of recent years, aggravated by the “storm” caused by covid-19, which strongly affected the education sector. Activities have been gradually resumed since October 2020, amid a still slow financial recovery conditioned by the high inflation rate, a situation that led to the closing of about 11 schools across various provinces in the country. Despite these constraints, it is worth noting the emergence of new private school structures in the provinces of Huambo and Bié.

Some say that the prices are speculative. Would you like to comment on this?

On this issue, our analysis is divided into two parts. First, there are foreign schools in the market that practice prices indexed to the dollar, ranging from 500,000 to 1,000,000 kwanzas per month. ANEP has no responsibility for these schools. Second, the Angolan schools do not speculate on prices because they do not have that autonomy, they are not inserted in the regime of free prices and are dependent on the analyses and decisions foreseen and regulated for institutions placed within the monitored price regime. Thus, the prices charged often fall short of the quality of the services provided and the cost structure. That because the authorized percentage increase in tuition fees is always below the inflation rate.

Read the full article in the October issue, now available on the E&M app for Android and at login (appeconomiaemercado.com).

7
Assine a Revista Digital - Economia & MercadoAssine a Revista Digital - Economia & Mercado