3
1

O parente pobre
do crédito à economia

O peso pouco significativo da agricultura sobre o total de crédito concedido à economia representa a principal preocupação dos agricultores.

1
2
Fotografia
:
Carlos Aguiar

Entretanto, a esse problema acrescem-se outros, como a degradação das estradas ou a ausência de meios para escoamento da produção.

A agricultura é responsável apenas 4,9% do financiamento ao sector produtivo, seguindo a indústria transformadora(7,81%), mas ultrapassando as pescas (0,39%), segundo o Relatório Anual e Contas do Banco Nacional de Angola.

Apesar de receber pouco dos bancos, o sector agrícola representa 12% do Produto Interno Bruto (PIB) e 70% de toda a força de trabalhoem Angola.

A dificuldade no acesso ao financiamento encabeça a lista de preocupações dos agricultores, além da debilidade de infra-estruturas de base e transporte para a distribuição de mercadorias aos pontos de venda. Porém, o Governo garante que apoia os pequenos agricultores, aumentando áreasde cultivo, preparando terras e distribuindo sementes e fertilizantes “a um bom preço”.

A mesma sorte não impera nos grandes projectos. Duas fazendas em Malanje, a Socomia e a Gepedro, confrontam-se com dificuldades noacesso à energia eléctrica, em escoar produtos e, como consequência, dificuldades em pagar salários.

Segundo o gestor da fazenda Socomia, localizada no município de Cangandala, tem sido difícil trabalhar a terra diante de todo o constrangimento. A título de exemplo, o responsável refere que somente 800 hectares de terras estão cultivados, embora a fazenda tenha a extensão de 1.900 hectares.

Mesmo assim, as metas preconizadas pela gestão da fazenda apontam para atingir colheitas de sete a oito toneladas de milho.

A desvalorização da moeda nacional também contribui negativamente no exercício dos fazendeiros. A Fazenda Girassol, por exemplo, está a suspender o investimento e a expansão de novas áreas produtivas, a produção de milho e construção de uma fábrica de sumo, e ameaça ainda fechar o departamento de investigação e desenvolvimento.

Leia mais na edição de Abril de 2020

Economia & Mercado – Quem lê, sabe mais!

7